Mudanças Climáticas Redução dos nossos impactos ao focar nas áreas corretas

A área de mudanças climáticas é uma das mais importantes para a C&A se concentrar porque ela ameaça as comunidades nas quais trabalhamos e a nossa capacidade de acesso a matérias-primas no futuro, aumentando a frequência de eventos climáticos não previsíveis ou extremos. Para sermos mais efetivos, devemos focar nossos esforços nas áreas em que podemos fazer a maior parte das mudanças, com mais rapidez. Para identificar essas oportunidades, avaliamos rotineiramente nossos impactos por meio do processo de LCA em toda a cadeia de valor – desde a extração da matéria-prima até o fim da vida útil.

Em 2018, comprometemo-nos com a iniciativa de Metas Baseadas na Ciência (Science Based Target initiative - SBTi) para reduzir nossas emissões de gases de efeito estufa (GHG) em conformidade com o Acordo de Paris. Isso incluiu o desenvolvimento e a avaliação de vários cenários-alvo, um exercício detalhado que continuará em 2019. O trabalho está sendo feito alinhado ao desenvolvimento de nossa próxima estratégia de sustentabilidade.

 

Leia mais sobre as metas baseadas na ciência

 

Abordagem e metodologia

Trabalhando com os cientistas da Aligned Incentives, determinamos nossas emissões de gases de efeito estufa (GHG) para o Escopo 1, 2 e 3. Para tanto, utilizamos uma abordagem híbrida de LCA que segue o Protocolo GHG do World Resource Institute/World Business Council for Sustainable Development referente à contabilidade, apresentação de relatórios corporativos e cadeias de valor. Nosso modelo combina métodos de entrada-saída e de processos de LCA, o que nos permite focar nas principais áreas de nossa cadeia de valor.

Nossa estimativa de 2018 utiliza dados de mais de 523.000 embarques de nossos países fornecedores para nossas lojas. Também avaliamos as emissões em 3.120 categorias exclusivas de gastos não relacionados a produtos para avaliar os impactos à cadeia de valor de produtos e serviços relacionados às nossas operações comerciais e administrativas. Isso, combinado com dados de energia e combustível para cada uma de nossas lojas, centros de distribuição e escritórios, nos forneceu um conjunto de dados abrangente utilizado na análise, o que nos permitiu estabelecer uma sólida linha de base, a partir da qual mediremos nossas reduções daqui para frente.

Melhorar nosso modelo para aprimorar nossa abordagem

Em 2017, atualizamos nossa estimativa para a fase de uso do consumidor, utilizando dados de pesquisa de clientes, instruções de cuidados específicos de vestuário e dados de durabilidade de vestuário da Sustainable Apparel Coalition. Em 2018, atualizamos as taxas de resíduos em cada estágio do ciclo de vida, o que nos dá uma compreensão ainda mais precisa dos insumos materiais e dos resíduos resultantes incorporados aos produtos vendidos.  Todas as estimativas anteriores foram recalculadas para refletir essa melhoria na metodologia.

Progredindo

Em 2018, as emissões de gases de efeito estufa (GHG) foram 12% menores do que no ano base de 2016. Observamos um leve aumento nas emissões de GHG a partir de 2017 devido a aumentos nas vendas; no entanto, continuamos a demonstrar progresso por meio da obtenção de matérias-primas mais sustentáveis, como algodão e viscose de origem sustentável.

Emissões totais de gases de efeito estufa em 2018, por escopo

Categoria de Relatórios

Grupo de Escopo

Quantidade de Impacto

% do Total

Unidade de Impacto

Escopo 1

Óleo combustível

                   746

0.01%

mtCO2e

Escopo 1

Gás natural

             18.429

0.33%

mtCO2e

Escopo 2

Energia comprada

           107.392

3.05%

mtCO2e

Escopo 2

Aquecimento comprado

             10.141

0.18%

mtCO2e

Escopo 2

Refrigeração comprada

                2.968

0.05%

mtCO2e

Escopo 3

Bens e serviços comprados

       4.207.645

75.71%

mtCO2e

Escopo 3

Atividades relacionadas a combustível e energia

             23.955

0.59%

mtCO2e

Escopo 3

Transporte e distribuição primários

           485.567

8.74%

mtCO2e

Escopo 3

Resíduos produzidos na operação

                   295

0.01%

mtCO2e

Escopo 3

Viagens a negócios

             14.402

0.26%

mtCO2e

Escopo 3

Viagens de funcionários

           109.970

1.98%

mtCO2e

Escopo 3

Uso de produtos vendidos

           474.802

8.54%

mtCO2e

Escopo 3

Tratamento de fim de vida de produtos vendidos

             29.564

0.53%

mtCO2e

 

Total de emissões de gases de efeito estufa, comparação ano a ano

6,600,000 6,400,000 5,000,000 4,800,000 5,200,000 5,400,000 5,600,000 5,800,000 6,200,000 6,000,000 2016 2017 2018 Unidade mt CO 2 e Fonte: Aligned Incentives, 2018 Anos 6,348,491 5,436,246 5,485,876 Aumento de 1% Redução de 14%

Total de emissões de gases de efeito estufa em 2018 em nosso ciclo de vida

Total de emissões de gases de efeito estufa em nosso ciclo de vida, comparação ano a ano

mtCO2e
Estágios do Ciclo de Vida

Unidade: mtCO~2~e

Fonte: Aligned Incentives, 2018

Redução do nosso impacto climático por meio de materiais mais sustentáveis

Aproximadamente 9% de nossas emissões de gases de efeito estufa vêm da agricultura, a maioria proveniente da produção de algodão. Em 2018, 71% do algodão que compramos era mais sustentável, ou seja, cultivado organicamente ou obtido como Better Cotton. Estimamos que a compra mais sustentável de algodão em 2018 evitou aproximadamente 54.600 toneladas de emissões de GHG, ou uma redução de 10% nas emissões de GHG em comparação com o algodão convencional.

Emissões de gases de efeito estufa da mistura de algodão da C&A, em comparação com o algodão convencional

300,000 600,000 450,000 Média Global para o Algodão Convencional Mix de Algodão da C&A Unidade mt CO 2 e Fonte: Aligned Incentives, 2018 Mix de Algodão 542,295 487,710 Redução de 10%

Em 2018, aproximadamente 9% das nossas emissões de gases de efeito estufa da produção de matéria-prima foram de fibras de celulose artificiais. Temos a aspiração de obter toda a nossa viscose livre de florestas nativas e ameaçadas e de fornecedores que utilizem as melhores tecnologias disponíveis (BAT). Esse esforço já está contribuindo para reduções de emissões perceptíveis. Estimamos que, ao obter uma viscose mais sustentável, evitamos cerca de 62.000 toneladas de emissões de GHG, ou uma redução de 47% em comparação com a viscose convencional.

Emissões de gases de efeito estufa da mistura de viscose da C&A, em comparação com a viscose convencional

0 140,000 120,000 20,000 40,000 60,000 80,000 100,000 Média Global para Fibras de Celulose Convencionais Mix de Celulose da C&A Unidade mt CO 2 e Fonte: Aligned Incentives, 2018 Mix de celulose 133,285 71,231 Redução de 47%

Juntos, a combinação da obtenção de algodão e viscose mais sustentável nos permitiu evitar mais de 116.000 toneladas de GHG.

Leia mais sobre nosso compromisso com a viscose mais sustentável

Redução do nosso impacto climático através de uma produção mais eficiente

O processamento de materiais, que é dominado pela produção têxtil, é a maior fonte de emissões em nossa rede de fornecimento, representando 45% do total de emissões. Nosso programa de SCM foca nesses impactos, nos quais nos concentraremos ainda em 2019 para fortalecer nossa abordagem e incentivar reduções ao longo do tempo.

Redução do nosso impacto climático nas nossas operações de varejo

Nossas emissões de gases de efeito estufa de Escopo 1 e 2 representam cerca de 3% de nossas emissões totais de GHG. Temos uma meta para 2020 de reduzir a intensidade das emissões em 20% em relação a 2012.

A fim de calcular a intensidade de nossas emissões, nós utilizamos a Área Bruta Locável (GLA) ou o total de metros quadrados (m2) que podem ser alugados para nossas lojas, escritórios e centros de distribuição. Em 2018, nossa intensidade de carbono diminuiu em 16% e nossa eficiência energética aumentou 20%, ambas em relação a 2012. As reduções percebidas foram devido à melhorias no gerenciamento de energia, iluminação, além de práticas em várias lojas de varejo em nossas quatro regiões.

No gráfico abaixo, nossa estimativa de emissões para energia comprada (eletricidade, aquecimento urbano e refrigeração) é pautada em uma metodologia de Escopo 2, que é baseada em mercado (market-based).

Emissões absolutas de CO2 e carbono das lojas, escritórios e centros de distribuição

Variação em comparação à linha de base
Anos

GLA: Área Bruta Locável

Uso pelo consumidor

A utilização e descarte de roupas pelos nossos clientes representa 10% do total de nossa pegada de carbono. Antes de 2017, nossas estimativas anteriores de impactos do uso pelo consumidor foram baseadas em grandes suposições com altos níveis de incerteza. Entretanto, em 2017, analisamos mais de perto os hábitos de nossos clientes para melhorar nossa estimativa e entender as alavancas com as quais a C&A - e outras marcas - podem reduzir os impactos do uso pelo consumidor. Utilizando dados preliminares coletados de uma pesquisa com clientes, identificamos premissas anteriores que superestimaram os impactos neste estágio do ciclo de vida e ficamos satisfeitos em saber que uma parcela considerável de nossos clientes está atualmente consumindo moda de forma mais sustentável. Especificamente, aprendemos que uma alta proporção (60 a 85%) de nossos clientes colocam as roupas para secar no varal, e a maioria usa artigos como calças, camisas e blusas várias vezes antes de lavá-los.

Ainda em 2017, realizamos uma análise de sensibilidade para medir o impacto do ciclo médio de limpeza na pegada de carbono de nossas roupas. Descobrimos que a lavagem de roupas representa aproximadamente 55% do impacto total de gases do efeito estufa, e a secagem corresponde aos 45% restantes. Lavagem a 40°C é o fator dominante (52%) dos impactos dos gases de efeito estufa na lavagem de roupas. Isso não foi uma surpresa, já que muitas máquinas de lavar adotam 40°C como padrão.

Esses resultados mostram o poder de normalizar comportamentos sustentáveis. Usando nossos dados, estimamos que o impacto total de gases de efeito estufa de nossas roupas poderia ser reduzido em 45% se a secagem no varal fosse a norma para os 15-40% dos clientes que secavam suas roupas na máquina. E se a lavagem padrão a 40°C passasse para uma lavagem a 30°C, veríamos uma economia adicional de gases de efeito estufa de aproximadamente 21%. Juntas, essas simples mudanças poderiam reduzir a pegada de carbono de nossas roupas em um terço, ou mais de 300 megatoneladas.

Resultados de pesquisa com clientes: método de secagem por mercado e tipo de roupa

Percentual por método de secagem
Tipo de produto por mercado

Fonte: Aligned Incentives, 2017

Resultados de pesquisas com clientes: perfis de quantidade de uso por lavagem por mercado e tipo de vestuário

Percentual de uso por lavagem
Tipo de produto por mercado

Fonte: Aligned Incentives, 2017

Próximos passos

Em 2019, finalizaremos nossas metas baseadas na ciência, nas quais nos concentraremos na redução das emissões de GHG nas áreas nas quais temos a maior alavancagem e o maior impacto.

C&A logo

You have arrived at the English language version of this site.